Guia Definitivo Copa do Mundo Rússia 2018 – Completo Guia completo com todos os grupos

14 de junho de 2018

Faltando poucos dias para Copa do Mundo 2018 lançamos nosso guia definitivo para o torneio. Confira um breve resumo histórico das 32 seleções, a análise para competição e os palpites geral e da equipe Pod(e)Brisar.

Aproveite também para conferir o nosso podcast com a explicação de todos os palpites e uma análise séria e pontual sobre a competição!

Neste post você confere o guia completo com todos os Grupos.

 

Grupo A

 

Rússia

Federação: União de Futebol da Rússia (rfs.ru)

Participações: 10 (7 como União Soviética 3 como Rússia)

Melhor Resultado: 4º Lugar (1966)

Eliminatórias: Classificado diretamente por ser o país sede.

A Rússia já viveu dias melhores no futebol, ainda como União Soviética conseguiu manter-se entre os seis primeiros colocados entre as Copas de 58 e 70. Muito destas históricas campanhas deve-se ao lendário goleiro Lev Yashin (considerado pela FIFA o melhor goleiro de todos os tempos), que também conduziu a seleção soviética ao título da Eurocopa de 1960.

Entretanto os tempos de glória ficaram para trás após o fim do país socialista. Desde o fim do bloco comunista, a Rússia independente acumula eliminações na primeira fase das copas que participou.

Nas últimas duas competições oficiais dos anfitriões mais decepções: eliminações nas primeiras fases da Euro 2016 e na Copa das Confederações 2017. A Rússia tem tudo para ser a segunda seleção dona da casa a ser eliminada na primeira fase (depois da África do Sul em 2010). Não passar vergonha já é uma vitória para o país de Putin.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

Rússia: o objetivo é não passar vergonha.

 

Arábia Saudita

Federação: Arabian Football Federation (saff.com.sa)

Participações: 4

Melhor Resultado: 9º Lugar (1994)

Eliminatórias: Segundo colocado no Grupo 2 das eliminatórias da Ásia.

A Arábia Saudita surpreendeu ao classificar-se para as oitavas de final logo em sua primeira participação em 1994. Mas foi só isso…. Nas participações seguintes acumulou eliminações na primeira fase com direito a perder de 8×0 para Alemanha e terminar na última colocação em 2002.

Para este ano não se espera muito do time, uma vez que trocou duas vezes de técnico após a classificação nas eliminatórias. Junto com a Rússia, concorre ao título de pior abertura de mundiais.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Egito

Federação: Federação Egípcia de Futebol

Participações: 2

Melhor Resultado: Oitavas de final (1934)

Eliminatórias: Vencedor do Grupo E das eliminatórias da África.

A seleção egípcia é uma potência continental (venceu 7 vezes a Copa Africana de Nações, sendo o atual vice-campeão). Entretanto a força no continente nunca foi expandida para o nível mundial, em sua terceira participação o Egito volta a Copa após 28 anos.

Toda esperança de uma boa campanha está depositada no retorno do atacante Mohamed Salah, que teve uma temporada soberba pelo Liverpool da Inglaterra, porém contundiu-se na final da Liga dos Campeões.

Se os Faraós e Salah permitirem, é um candidato à classificação para próxima fase.

Cotação Geral: Oitavas de Final

Cotação Pod(e)Brisar: Oitavas de Final

 

Uruguai

Federação: Asociación Uruguaya de Fútbol (auf.org.uy)

Participações: 12

Melhor Resultado: Campeão (1930 e 1950)

Eliminatórias: 2º lugar nas eliminatórias Sul-americanas.

A celeste olímpica transborda história com seus 2 títulos mundiais e 2 títulos olímpicos. Nos últimos anos tem provado que não vive só de história, foi quarto colocado na Copa de 2010, campeão da Copa América 2011 e vice-campeão das eliminatórias da Conmebol.

Para 2018 o Uruguai une forte defesa e um ataque preciso (com Suárez e Cavani) aliado a um trabalho de 12 anos do técnico Óscar Tabárez. Com estas armas, sonha em atingir voos altos.

Cotação Geral: Oitavas de Final

Cotação Pod(e)Brisar: Quartas de Final

Uruguai: a Celeste Olímpica recuperou o respeito nos últimos anos.

 

Grupo B

 

Portugal

Federação: Federação Portuguesa de Futebol (fpf.pt)

Participações: 6

Melhor Resultado: 3º Lugar (1966)

Eliminatórias: Vencedor Grupo B das eliminatórias europeias.

Na virada do século Portugal viveu seu grande momento na história recente, com um time recheado de craques como Deco, Figo, Cristiano Ronaldo e comandados por Luiz Felipe Scolari os lusos foram vice-campeões da Eurocopa 2004 (disputada em Portugal) e terceiro lugar na Copa do Mundo da Alemanha em 2006.

Após estes resultados vieram novos momentos de vacas magras nas competições seguintes, até chegarmos à Euro 2016. Com um time já não tão talentoso, mas com Cristiano Ronaldo mais maduro, Portugal mostrou ter sangue frio e o mais importante: saber ganhar.

Para 2018 a seleção lusitana vem forte e não será uma surpresa se conseguir uma posição entre os quatro melhores do mundo.

Cotação Geral: Quartas de Final

Cotação Pod(e)Brisar: Quartas de Final

Portugal: uma seleção que aprendeu vencer.

 

Espanha

Federação: Real Federación Española de Fútbol (rfef.es)

Participações: 14

Melhor Resultado: Campeão (2010)

Eliminatórias: Vencedor Grupo G das eliminatórias europeias.

Após muitas frustrações históricas a Espanha finalmente conseguiu provar-se a Fúria na Copa de 2010. Com um time baseado no Barcelona de Guardiola, a Espanha abusou do toque de bola e do placar de 1×0 para finalmente tornar-se campeã do mundo.

Após o fracasso de 2014, quando foi eliminada na primeira fase, a Espanha renovou-se e com a dupla sensação do Real Madrid, Isco e Asensio, e voltou a ser uma das favoritas ao título.

Cotação Geral: Semifinal

Cotação Pod(e)Brisar: Oitavas de Final

Espanha: Renovação para tornar-se novamente um favorito.

 

Marrocos

Federação: Federátion Royale Marrocaine de Football

Participações: 4

Melhor Resultado: 11 º (1986)

Eliminatórias: Vencedor Grupo C das eliminatórias africanas.

Marrocos não disputa uma copa desde 1998, quando enfrentou o Brasil na primeira fase. Na última eliminatória africana surpreendeu ao classificar-se sem dificuldades em um grupo que contava com a mais forte Costa do Marfim.

Entretanto não deve sonhar alto com o mundial e ficará pela primeira fase.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Irã

Federação: Islamic Republico f Iran Football Federation (iriff.ir)

Participações: 4

Melhor Resultado: 14 º (1978)

Eliminatórias: Vencedor Grupo A das eliminatórias asiáticas.

A seleção Iraniana fez uma campanha relativamente tranquila nas eliminatórias asiáticas, entretanto é difícil esperar algo de uma seleção que nunca conseguiu passar da primeira fase em mundiais. Fará uma disputa direta com Marrocos por uma vitória no grupo.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Grupo C

 

França

Federação: Federátion Française de Football (fff.fr)

Participações: 14

Melhor Resultado: Campeão (1998)

Eliminatórias: Vencedor Grupo A das eliminatórias europeias.

No aniversário de 20 anos de seu título mundial, a França comemora com a melhor geração desde esta conquista. Com jogadores como Griezmann, Pogba e Kanté a França é novamente uma forte candidata ao título.

A equipe francesa ganhou experiência e brio após a derrota na final da última Euro em casa para Portugal e aliada a novos talentos como Mbappé tem tudo para chegar longe neste mundial.

Cotação Geral: Semifinal

Cotação Pod(e)Brisar: Final

França: objetivo é repetir o título de 98.

 

Austrália

Federação: Football Federation Australia (footballaustralia.com.au)

Participações: 4

Melhor Resultado: Oitavas de Final (2006)

Eliminatórias: Vencedor da repescagem asiática.

A Austrália vai para seu quinto mundial após uma campanha sofrida nas eliminatórias asiáticas, classificou-se apenas na repescagem após derrotar a Síria.

Repetir a campanha da Copa da Alemanha, quando se classificou para segunda fase, parece um sonho muito distante.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Peru

Federação: Federación Peruna de Fútbol (fpf.com.pe)

Participações: 4

Melhor Resultado: Quartas de Final (1970)

Eliminatórias: Vencedor da repescagem América do Sul / Oceania.

O maior feito envolvendo a seleção peruana em copas é a derrota por 6×0 em 1978, que classificou a Argentina e eliminou o Brasil, que não torna sua história muito honrada…

Entretanto para 2018 uma nova comoção pode alterar esta sina. A jornada de Guerrero para ser liberado de sua punição por doping teve o primeiro final feliz e o atacante do Flamengo disputará o Mundial.

Com um bom time ofensivamente e seu maior astro, o Peru pode sonhar atingir a segunda fase e escrever seu novo capítulo.

Cotação Geral: Oitavas de Final

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Dinamarca

Federação: Dansk Boldspill-Union (dbu.dk)

Participações: 4

Melhor Resultado: Quartas de Final (1998)

Eliminatórias: Classificado através da repescagem europeia.

A seleção dinamarquesa viveu seu auge na década de 90. Neste período, a então Dinamáquina, venceu a Eurocopa de 1992 (disputada na Suécia) e chegou às quartas de final na Copa de 1998 (sendo barrada apenas pelo Brasil).

Contundo, os tempos são outros e os dinamarqueses apoiam-se em um time com defesa sólida para vencer o Peru na disputa pela segunda vaga do grupo.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Oitavas de Final

 

Grupo D

Argentina

Federação: Asociación del Fútbol Argentino (afa.org.ar)

Participações: 16

Melhor Resultado: Campeão (1978 e 1986)

Eliminatórias: Terceiro lugar nas eliminatórias sul-americanas.

A Argentina possuí uma seleção que só garantiu a vaga na copa na última rodada das eliminatórias, passou por trocas de técnicos no último ciclo, perdeu três finais seguidas nas últimas três competições que disputou, possuí um centro avante acusado de amarelar em momentos decisivos, teve uma aposentadoria relâmpago de Messi e para finalizar perdeu de 6×1 para Espanha em março.

Levando em consideração tudo isso, podemos concluir: a Argentina pode tudo, até ser campeã do mundo!

Cotação Geral: Quartas de Final

Cotação Pod(e)Brisar: Semifinal

Argentina: como em um tango, vive um drama.

 

Islândia

Federação: knattspyrnusamband Islands (ksi.is)

Participações: Estreante

Melhor Resultado: Estreante

Eliminatórias: Vencedor do Grupo I das eliminatórias europeias.

A Islândia vive um sonho que começou em 2016 e que não quer acabar. O pequeno país europeu (possuí uma população de 334 mil habitantes, menos que São Vicente no litoral paulista) surpreendeu a todos ao atingir as quartas de final na Euro 2016, eliminando a Inglaterra nas oitavas de final. Como se não bastasse, os islandeses lideraram um grupo nas eliminatórias com seleções muito mais tradicionais como Croácia, Ucrânia e Turquia.

A seleção semi-amadora vai brigar para não despertar deste sonho e tem tudo para ser o time do coração dos hipsters de todo mundo.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Croácia

Federação: Hrvatski Nogometni Savez (hns-cff.hr)

Participações: 4

Melhor Resultado: Semifinal (1998)

Eliminatórias: Classificado através da repescagem europeia.

A Croácia surpreendeu o mundo todo há 20 anos atrás. Uma seleção pequena e estreante (qualquer semelhante com a Islândia é mera formalidade) eliminou gigantes como a Alemanha e vendeu caro a vaga na final para a anfitriã França.

Depois desta campanha histórica os croatas nunca mais conseguiram chegar perto deste rendimento, acumulando eliminações nas primeiras fases. Para 2018 a esperança é renovada com uma geração forte e acostumada aos grandes torneios europeus.

Cotação Geral: Oitavas de Final

Cotação Pod(e)Brisar: Oitavas de Final

 

Nigéria

Federação: Associação Nigeriana de Futebol

Participações: 5

Melhor Resultado: Oitavas de Final (1994 e 2014)

Eliminatórias: Vencedor do Grupo B das eliminatórias africanas.

A Nigéria é uma das tradicionais seleções africanas, multicampeã nas categorias de base, campeã olímpica e duas vezes classificada para as oitavas de final nas copas.

Em 2018 pesam contra os nigerianos o grupo equilibrado (mais uma vez contra os argentinos) e a desorganização da federação nacional. Podem até disputar a segunda vaga com Islândia e Croácia.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Grupo D

 

Brasil

Federação: Confederação Brasileira de Futebol (cbf.com.br)

Participações: 20

Melhor Resultado: Campeão (1958, 1962, 1970, 1994 e 2002)

Eliminatórias: Primeiro lugar nas eliminatórias sul-americanas.

Após a maior humilhação de uma grande seleção: o inesquecível 7×1 em casa, a CBF zombou da história da seleção e de seus torcedores ao contratar Dunga para assumir o comando técnico. O resultado não podia ser outro, fracasso em duas Copas América e o risco real de não se classificar pela primeira vez para o mundial. Sem dúvida foram os dois piores anos da seleção brasileira.

Tudo mudou em 2016 quando a seleção finalmente passou a ter um técnico: Tite. Com uma sequência incrível de vitórias o Brasil tornou-se o primeiro país a classificar-se para Copa de 2018 através das eliminatórias. Além disso, Tite conseguiu dar padrão a seleção que pode atuar no mínimo em duas formações sem grandes dificuldades.

Com uma geração que conta com Phillipe Coutinho, William, Roberto Firmino, Gabriel Jesus, Alisson, Marcelo (todos jogando em alto nível nos seus times na Europa) aliado ao talento de Neymar (talvez mais preparado, entretanto não tão mais maduro após 2014) o Brasil é um dos maiores favoritos na Rússia.

Cotação Geral: Final

Cotação Pod(e)Brisar: Semifinal

Brasil: ataque forte para conquistar o hexa.

 

Suíça

Federação: Association Suisse de Football (football.ch)

Participações: 10

Melhor Resultado: 5 º (1954)

Eliminatórias: Classificado através da repescagem europeia.

A Suíça é conhecida pelo seu ferrolho defensivo, em 2006 foi eliminada nas oitavas de final sem tomar nenhum gol na competição (perdeu para Ucrânia na disputa de pênaltis).

Em 2018 o desafio é melhorar o potencial do ataque para só assim conseguir quebrar a barreira das oitavas de final.

Cotação Geral: Oitavas de Final

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Costa Rica

Federação: Federação Costarriquenha de Futebol (fedefutbol.com)

Participações: 4

Melhor Resultado: 7 º (2014)

Eliminatórias: Segundo lugar no hexagonal final das eliminatórias da Concacaf.

A Costa Rica é uma velha conhecida do Brasil em Copas, as duas seleções já se encontraram duas vezes na primeira fase com duas vitórias brasileiras, 1×0 em 1990 na Itália e 5×2 em 2002 na Coréia do Sul.

O time costa-riquenho participou pela primeira vez de mundiais em 1990 e de cara já surpreendeu a todos ao classificar-se para as oitavas de final. Em 2014 teve sua grande campanha, não tomou conhecimento do grupo da morte e venceu Uruguai e Itália (3×1 e 1×0 respectivamente) na primeira fase. Não bastasse a classificação para segunda fase, Los Ticos (como são conhecidos) derrotaram a Grécia nas oitavas de final e só pararam nos pênaltis para a Holanda.

Quatro anos depois a Costa Rica conta com o Goleiro do Real Madrid Keylor Navas em bom momento e está disposta a encarar o Brasil novamente e a classificar-se pela terceira vez ao mata-mata.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Oitavas de Final

 

Sérvia

Federação: Fudbalski Savez Srbijie (fss.rs)

Participações: 1

Melhor Resultado: 23 º (2010)

Eliminatórias: Vencedor do Grupo D das eliminatórias europeias.

A Sérvia historicamente cedeu diversos jogadores para a tradicional seleção da Iugoslávia, seleção conhecida em sua época como Brasil da Europa, que atingiu o quarto lugar nas copas de 1930 e 1962.

Contudo após a fragmentação da antiga Iugoslávia em seis países, a Sérvia não teve muito a comemorar: foram duas eliminações na primeira fase de Copas (2006 ainda com Montenegro e 2010) e nenhuma classificação para Eurocopa.

Em 2018 o destaque individual é Matic, volante do Manchester United que alia força e composição tática. Com um time que destaca-se pela altura e possibilidade de jogo aéreo, a seleção sérvia tentará ao menos passar de fase pela primeira vez.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Grupo F

 

Alemanha

Federação: Deutscher Fußball-Bund (dfb.de)

Participações: 18

Melhor Resultado: Campeão (1954, 1974, 1990 e 2014)

Eliminatórias: Primeiro lugar no grupo C das eliminatórias Europeias.

A seleção alemã faz parte de uma elite histórica do futebol, esteve presente em 18 dos 20 mundiais (ausentou-se apenas em 1930 quando não quis cruzar o Atlântico e em 1950 quando estava banida devido à Segunda Guerra Mundial). Ao todo a Alemanha esteve entre os quatro primeiros colocados 13 vezes.

O título de 2014 corou um trabalho que se iniciou em 2006 e está garantido até a Eurocopa de 2020 com o técnico Joachim Low. Técnico que aproveitou competições periféricas, como a Copa das Confederações conquistada pelos germânicos, para testar jogadores jovens e tornar a equipe ainda mais forte.

Nas eliminatórias europeias os alemães passearam, foram 10 vitórias em 10 jogos com 43 gols feitos e apenas 4 tomados. Com uma camisa que enverga varal, um trabalho técnico de 12 anos contínuos e um retrospecto pesado de vitórias nos últimos anos é impossível não colocar a Alemanha como favorita ao título.

Cotação Geral: Final

Cotação Pod(e)Brisar: Final

Alemanha: E lá vêm eles de novo! Olha só que absurdo!

 

México

Federação: Federação Mexicana de Futebol (femexfut.org.mx)

Participações: 15

Melhor Resultado: 6º (1970 e 1986)

Eliminatórias: Primeiro lugar no hexagonal final das eliminatórias da Concacaf.

A seleção mexicana é uma potência no futebol da América do Norte e Central. Ao todo acumula 7 Copas Ouro, 1 Copa das Confederações e 1 Ouro Olímpico. Em Mundiais destaca-se por ser um dos participantes mais recorrentes, entretanto possuí um grande adversário: a barreira das oitavas de final. A seleção El Tri, como é conhecida, só conseguiu ficar entre os oito primeiros colocados nas duas Copas que sediou (1970 e 1986).

Para competição atual o México contratou o ex-técnico do São Paulo Juan Carlos Osório que inicialmente conseguiu driblar os críticos com 9 jogos sem derrotas (8 vitórias), entretanto houve um grande baque na Copa das Confederações de 2017 quando perderam de 7×0 para o Chile.

O destaque continua sendo o atacante Chicharito Hernández que atua no West Ham-ING, o artilheiro máximo da história mexicana terá a árdua tarefa de levar a sua seleção a um novo patamar.

Cotação Geral: Oitavas de Final

Cotação Pod(e)Brisar: Oitavas de Final

 

Suécia

Federação: Svenska Fotbollforbundet (svenksfotboll.se)

Participações: 11

Melhor Resultado: 2º (1958)

Eliminatórias: Classificado através da repescagem europeia.

Com um retrospecto de duas vezes terceiro lugar e um vice-campeonato (este disputado em casa e derrotado na final pelo Brasil em 1958) a Suécia é uma seleção com história em mundiais (isso sem contar com o ouro olímpico de 1948).

O time é de certa forma pragmático, sem a grande estrela Ibrahimovic (que se aposentou de sua seleção após o fracasso na Euro 2016) e com a maioria de jogadores que atuam em times periféricos da Europa a Suécia apostou em um futebol de resultados.

Nas eliminatórias enfrentou um grupo muito difícil com França e Holanda, deixando os Países-Baixos para trás, tiveram que encaram o pior adversário na repescagem: a tetracampeã Itália. Não tiveram medo de jogar fechado e conseguiram a classificação vencendo por 1×0 em casa e segurando o 0x0 em Milão.

Com resultados de superação nas eliminatórias e ainda se acostumando a não ter a grande estrela no ataque, o time dos vikings tentará ao menos atingir a segunda fase.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Coreia do Sul

Federação: Associação de Futebol da Coreia (kfa.or.kr)

Participações: 9

Melhor Resultado: 4º (2002)

Eliminatórias: Segundo lugar no grupo A das eliminatórias asiáticas.

Com uma sequência de participações que se iniciou em 1986 e permanece até hoje, a Coreia possuí duas campanhas de destaque. Em 2002, jogando em casa, foi quarta colocada eliminando Itália e Espanha nas oitavas e quartas de final respectivamente, contudo esta foi uma campanha que só se concretizou graças a muita ajuda dos árbitros. Já em 2010 conseguiram atingir as oitavas de final (desta vez sem ajuda extra).

Na disputa deste ano a esperança é toda depositada no atacante Son Heung-min que é destaque no Tottenham há dois anos. Em um grupo com equipes tradicionais, dificilmente os sul coreanos atingirão fases mais agudas da competição.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Grupo G

 

Bélgica

Federação: Federação Belga de Futebol (footbel.be)

Participações: 12

Melhor Resultado: 4º (1986)

Eliminatórias: Primeiro lugar no grupo H das eliminatórias Europeias.

Hazard, Lukaku, De Bruyne, Fellaini, Kompany, Courtois… A lista de destaques em grandes times europeus é extensa na seleção belga. A chamada Grande Geração Belga tenta em 2018 apagar o estigma de ser boa só no papel.

Em 2014 chegou às quartas de final, quando foi derrotada pela Argentina, e em 2016 na Eurocopa atingiu o mesmo estágio ao ser derrotada pelo País de Gales.

O desafio de atingir as semifinais e no mínimo igualar seu melhor resultado, conquistado em 1986, pode esbarrar em um grande confronto com o Brasil nas quartas.

Cotação Geral: Quartas de Final

Cotação Pod(e)Brisar: Quartas de Final

Bélgica: será a vez da grande geração belga?

 

Panamá

Federação: Federación Panameña de Fútbol (fepafut.com)

Participações: Estreante

Melhor Resultado: Estreante

Eliminatórias: Primeiro lugar no hexagonal final das eliminatórias da Concacaf.

Em um país onde os principais esportes são o basebol e o boxe, o futebol começou a evoluir apenas no fim do século 20 e em 2017 atingiu seu ápice: aos 43 minutos do segundo tempo o Panamá fazia um gol que eliminava os Estados Unidos e o colocava diretamente na Copa do Mundo.

A maior parte dos jogadores atua nos Estados Unidos ou em ligas menores e a falta de experiência pode pesar em um grupo com a forte Bélgica e a tradicional Inglaterra. A presença do Panamá no mundial prova que todas as seleções são filhas dos deuses do futebol.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Tunísia

Federação: Federação Tunisiana de Futebol

Participações: 4

Melhor Resultado: 9º (1978)

Eliminatórias: Vencedor do Grupo A das eliminatórias africanas.

Três participações consecutivas (1998, 2002 e 2006) sem passar da primeira fase e o título da Copa das Nações Africanas em 2004 são os melhores resultados da seleção da Tunísia.

Com o envelhecimento da geração que atingiu os resultados no início dos anos 2000, a equipe africana teve que apostar em uma renovação do time que os levaram à Copa após doze anos de ausência.

O time é limitado e a maior esperança é o meia Khazri, jogador francês naturalizado tunisiano, que pode produzir rápidos contra-ataques contra os adversários. De maneira geral, fará uma copa para ao menos vencer o Panamá.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Inglaterra

Federação: The Football Association (thefa.com)

Participações: 14

Melhor Resultado: Campeão (1966)

Eliminatórias: Vencedor do Grupo F das eliminatórias europeias.

Um título contestado por uma bola que não entrou em 1966 (na Inglaterra) e um quarto lugar em 1990 (na Itália) são os grandes feitos do time da Rainha em mundiais. O desempenho em 2014, eliminação na primeira fase, e na Euro 2016, eliminação nas oitavas de final para Islândia, não animam o torcedor inglês para a competição na Rússia.

O técnico Garth Southgate, oriundo das categorias de base, admite que o time está em um processo de transição e não gosta de planejar a posição final do English Team ao fim do torneio.

Fato que a geração atual possuí bons nomes como Harry Kane, Dele Alli e Sterling que podem fazer bonito da Rússia, além de existir uma nova geração que vem ganhando muitos títulos nas categorias de base e que tornam o projeto futuro cada vez mais promissor.

Cotação Geral: Quartas de Final

Cotação Pod(e)Brisar: Oitavas de Final

Inglaterra: preparando uma geração futura.

 

Grupo H

Polônia

Federação: Polski Zwiazek Pilki Noznej (pzpn.pl)

Participações: 7

Melhor Resultado: 3º (1974 e 1982)

Eliminatórias: Primeiro lugar no grupo E das eliminatórias Europeias.

Nas décadas de 70 e 80 a Polônia, comandada pelo craque Lato, tornou-se uma matadora de campeões mundiais. Em 1974, na Alemanha, venceram Itália, Argentina e Brasil para atingir o terceiro lugar e em 1982 derrotaram a França de Platini para repetir o lugar no pódio.

Com o passar do tempo a Polônia perdeu força e tornou-se um figurante do futebol europeu. Algo que começou a mudar no início da década atual, os poloneses estão em evolução e contaram com os gols do atacante Robert Levandowski, artilheiro das eliminatórias europeias, para chegar à Rússia.

Mesmo com um time organizado que conseguiu melhores resultados recentes, subindo no ranking da FIFA e tornando-se um cabeça de chave da Copa, a Polônia lutará para não ser um coadjuvante na competição.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Oitavas de Final

Polônia: em busca de repetir o sucesso dos anos 70 e 80.

 

Senegal

Federação: Federátion Senegalaise de Football (fsf.sn)

Participações: 1

Melhor Resultado: 7º (2002)

Eliminatórias: Primeiro lugar no grupo D das eliminatórias africanas.

No dia 30 de maio de 2002, todos esperavam ver um passeio da então campeã mundial e europeia contra uma seleção africana desconhecida na abertura da copa daquele ano. O resultado? Um inesquecível 1×0 para Senegal contra a França e o início da campanha histórica, que talvez seja a última seleção sensação africana. Senegal atingiu as quartas de final daquele mundial e encantou a todos com a alegria do seu time.

Contudo, após sua grande campanha Senegal ficou afastado da competição principal do futebol por dezesseis anos e retorna com uma geração completamente renovada. O principal jogador é o atacante Sadio Mané do Liverpool que fez grande temporada europeia e vem correspondendo na seleção. Levando em consideração um grupo sem grandes favoritos, Senegal pode surpreender novamente e atingir a segunda fase.

Cotação Geral: Oitavas de Final

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Colômbia

Federação: Federación Colombiana de Fútbol (fcf.com.co)

Participações: 5

Melhor Resultado: 5º (2014)

Eliminatórias: Quarto lugar nas eliminatórias sul-americanas.

Os anos 90 foram uma mistura de alegria e tragédia para seleção colombiana. Neste período formou-se a melhor geração do país com jogadores como Higuita, Valderama, Rincón, Aristizábal e Asprilla. Com este time os sul-americanos classificaram-se para três mundiais seguidos (1990, 1994 e 1998), porém os desempenhos nas copas foram decepcionantes sem ao menos classificar-se para segunda fase.

 Atualmente os colombianos possuem sua segunda grande geração. Jogadores como Ospina, Cuadrado e Rodríguez atingiram o melhor resultado histórico ao alcançar as quartas de final em 2014, eliminados pelo Brasil. Quatro anos mais experiente e com uma renovação sólida na defesa, a Colômbia pode sonhar com um resultado satisfatório na Rússia.

Cotação Geral: Oitavas de Final

Cotação Pod(e)Brisar: Quartas de Final

 

Japão

Federação: Associação de Futebol do Japão (jfa.or.jp)

Participações: 5

Melhor Resultado: 9º (2002 e 2010)

Eliminatórias: Primeiro lugar no grupo B das eliminatórias asiáticas.

A estreia do Japão foi tardia, a primeira participação foi apenas na França em 1998. Mas desde então os japoneses tomaram gosto pela competição e são figuras carimbadas em todos mundiais. Os melhores resultados históricos foram duas classificações às oitavas de final em 2002 jogando em casa e em 2010 na África do Sul.

Os Samurais Azuis, como são conhecidos, possuem uma seleção com diversos jogadores atuando em times europeus, fato que dá certa experiência ao time. Mas as duas trocas de técnico durante o ciclo das eliminatórias é um fator complicador. Em um grupo equilibrado a expectativa é ao menos tentar entrar na briga pela classificação.

Cotação Geral: Primeira Fase

Cotação Pod(e)Brisar: Primeira Fase

 

Guia Grupos A e B: Click AQUI!

Guia Grupos C e D: Click AQUI!

Guia Grupos E e F: Click AQUI!

Guia Grupos G e H: Click AQUI!

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *